Blog

7 Segredos comprovados pela ciência para se ter um Casamento Feliz

A escritora do New York Times Tara Parker-Pope reuniu em seu livro “For Better” sete pontos para um casamento feliz que foram comprovados pela ciência. Aqui estão eles:

 

  • Celebre as boas notícias

O divórcio não acontece tanto por causa do aumento das coisas negativas no relacionamento, e sim devido a diminuição dos fatos positivos.

Usando uma fórmula complexa, os pesquisadores da UCLA e da Universidade de Rochester mediram como os parceiros reagiram a eventos positivos na vida de seus respectivos maridos ou esposas. Os pesquisadores também avaliaram os sentimentos do casal de compromisso, satisfação no relacionamento e intimidade e encontraram uma ligação entre os dois: Os casais mais felizes eram aqueles que deram mais importância às coisas boas que aconteceram.

Segundo Howard Markman, codiretor do Centro de Estudos Maritais e Familiares da Universidade de Denver e um dos principais pesquisadores sobre casamento dos EUA, os aspectos positivos são cada vez mais importantes na vida dos casais: quanto mais um casal se diverte e quanto mais forte é a amizade entre eles, maiores são as chances de eles terem um futuro feliz.

Casais que celebram regularmente os bons momentos têm níveis mais altos de compromisso, intimidade, confiança e satisfação no relacionamento. Ou seja, não basta que seu parceiro saiba que você se orgulha de suas realizações. É preciso demonstrar.

 

  • Cinco para Um

Quantos momentos bons você precisa para compensar um momento ruim? De acordo com a ciência, a relação é de 5 para 1.

Na Universidade de Washington, os pesquisadores filmaram casais casados conversando e catalogaram todas as coisas agradáveis ​​ou desagradáveis que fizeram ou disseram durante a conversa. Coisas como rir, tocar, sorrir ou elogiar foram codificadas como interações positivas e momentos não tão agradáveis como rolar os olhos, zombarias, críticas, defesa e assim por diante, foram registrados como negativas.

Conforme os pesquisadores analisaram os dados, um padrão surpreendente surgiu: Em casamentos estáveis ​​há pelo menos cinco vezes mais interações positivas do que negativas. Quando essa proporção começa a cair, o casamento começa a entrar em alto risco de divórcio.

É claro que na vida real nenhum casal consegue ficar contabilizando todas as interações positivas e negativas. Mas, na prática, a lição é que um único "sinto muito", depois de um mau comportamento não é suficiente. Para cada comentário sarcástico ou explosão negativa em um casamento é preciso garantir que haja um aumento das interações positivas para que seja possível manter o equilíbrio entre bom-mau.

Sendo assim, não espere até que você e seu parceiro estejam brigados para ligar o charme. Gestos e comentários agradáveis ​​são fáceis de fazer e você tem muito a ganhar com eles.

 

  • Mantenha os seus padrões altos

Muitas pessoas já devem ter escutado que elas têm esperanças e expectativas irrealistas para o seu casamento e que se você está infeliz, talvez seja porque você simplesmente está esperando demais. Mas, a ciência diz o contrário: pessoas que tem expectativas maiores, recebem mais!

Na Universidade da Carolina do Norte, o psicólogo e Ph.D. Donald H. Baucom, buscou determinar como padrões idealistas podem afetar um relacionamento. Casais responderam a perguntas sobre tudo: desde sexo e religião a questões sobre carreira e finanças. Eles também disseram aos pesquisadores sobre como eles comunicam sentimentos positivos e negativos aos seus cônjuges.

Dr. Baucom descobriu que as pessoas que têm padrões idealistas, que realmente querem ser bem tratadas e que querem romance e paixão em seu casamento, acabam recebendo esse tipo de casamento. Homens e mulheres com padrões baixos, que não esperam um bom tratamento, comunicação ou romance, acabam em relacionamentos que não oferecem essas coisas. Maridos e esposas que mantêm seus parceiros a um nível razoavelmente alto têm casamentos melhores.

Sendo assim, se você espera um relacionamento melhor e mais satisfatório, você melhora suas chances de ter um. Não se contente com um casamento de segunda categoria.

 

  • Mantenha-se próximo de amigos e família

Hoje em dia, o casamento tornou-se um casulo de duas pessoas do qual esperamos obter todo apoio e intimidade que desejamos. Isso não é saudável nem realista.

As sociólogas Naomi Gerstel da Universidade de Massachusetts Amherst e Natalia Sarkisian no Boston College descobriram que as pessoas casadas têm menos laços com parentes do que aquelas que são solteiras. Elas são menos propensas a visitar seus pais e outros membros da família e a socializar com os vizinhos, ajudar os seus amigos ou ser politicamente ativas.

“Hoje esperamos muito mais intimidade e apoio de nossos parceiros do que no passado, mas muito menos de todos os outros", observa Stephanie Coontz, historiadora de casamento, que ensina história e estudos familiares no Evergreen State College.

Dr. Coontz acredita que toda essa união não é necessariamente boa para os casais. A maneira de fortalecer um casamento é colocar menos exigências emocionais sobre os cônjuges. Isso não significa perder intimidade emocional com seu marido ou esposa. Significa apenas que os casais casados ​​têm muito a ganhar promovendo seus relacionamentos com membros da família e amigos. Os casais mais felizes, ela diz, são aqueles que têm interesses e apoio "além dos dois".

Ou seja, às vezes, melhorar o seu casamento significa dar-lhe uma pausa. Mantenha amigos e familiares no circuito. Seu casamento deve ser o seu principal relacionamento – não o seu único.

 

  • Não espere que seu casamento te faça feliz

Pesquisas mostram que a felicidade da maioria das pessoas finalmente retorna à sua linha de base natural, mesmo após eventos muito positivos como um casamento.

O que é surpreendente é que as pesquisas demonstram que a felicidade é relativamente estável. Um evento importante da vida (como o casamento ou o nascimento de uma criança) pode oferecer um impulso da felicidade a curto prazo, mas a maioria das pessoas retornam ao seu nível de felicidade normal depois de um tempo. Ou seja, se você classificou seu nível de felicidade como um 7.5 em uma escala de 1 a 10, pesquisas mostram que na maioria das vezes, os eventos de sua vida não vão mudar isso. No geral, você vai ser uma pessoa 7.5 feliz por toda a sua vida.

Sendo assim, a felicidade está dentro do indivíduo e esperar que um cônjuge tenha a responsabilidade de mudar isso para sempre é irrealista e injusto.

 

  • Faça mais sexo

Ao longo de um casamento o desejo pode diminuir. Apesar disso, o sexo é saudável e tem diversos benefícios biológicos e emocionais que não devem ser ignorados.

O sexo não vai resolver todos os problemas conjugais de um casal, mas certamente vai ajudar. O simples ato de ter relações sexuais – mesmo se você não estiver com muita vontade – desperta a química do cérebro e seu corpo liberando vasopressina e oxitocina. Estes são produtos químicos de ligação poderosos: Em estudos com camundongos monogâmicos, apenas o ato de injetar um rato com vasopressina fez com que ele ficasse mais carinhoso com a sua companheira rata, mesmo não tendo, de fato, acasalado com ela.

Especialistas dizem aos casais com baixo desejo sexual que eles devem ter relações sexuais, mesmo que eles não queiram. Após cerca de cinco minutos, a atividade sexual irá liberar esses produtos químicos de ligação e você provável irá começar a se divertir.

Se você está lutando para reacender a faísca na relação, especialistas têm várias sugestões: Talvez você só precise de tempo longe das crianças e do estresse no trabalho, então tente agendar uma noite à sós. Ou você pode precisar começar mais devagar: apenas ficar de mãos dadas e abraçados já pode começar a restaurar a intimidade entre vocês. A terapia de casal também pode ajudá-los a identificar questões que estão interferindo com o sexo.

Sendo assim, deixe este artigo de lado e vá fazer sexo com seu marido ou esposa. Ao longo do tempo, o sexo regular pode melhorar o seu humor, torná-lo mais paciente, amolecer a raiva, e levar a um relacionamento melhor e mais contente.

 

  • Excitação!

Os casais não precisam de mais atividades "agradáveis" – eles precisam de atividades mais excitantes para assegurar o frio na barriga que sentiram quando se apaixonaram pela primeira vez.

Um estudo do Laboratório de Relacionamentos Interpessoais da Universidade Estadual de Nova York mostrou que um grupo de casais que passavam duas horas por semana se envolvendo em uma atividade nova e excitante deu um impulso dramático no nível de satisfação conjugal. Enquanto isso, um segundo grupo que se envolveu em atividades altamente agradáveis, mas apenas moderadamente excitantes, não mostrou nenhuma mudança significativa em seu nível de satisfação conjugal.

A vida de casado não tem que ser maçante. O que torna um caso extraconjugal excitante é a noção de conhecer alguém atraente e novo, ir a novos lugares, experimentar novas atividades e ter novas experiências sexuais. Sendo assim, tenha um caso com seu próprio cônjuge, e experimente esses sentimentos emocionantes na segurança de seu próprio casamento.

Em outras palavras, proteja seu casamento regularmente experimentando coisas novas e compartilhando novas experiências com seu cônjuge. Faça uma lista das coisas favoritas que você e seu cônjuge fazem juntos e, em seguida, faça uma lista das coisas divertidas que você gostaria de experimentar. Evite velhos hábitos e faça planos de fazer algo fresco e diferente uma vez por semana.

Texto Original:

Compartilhar:

Deixe um Comentário...

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rir é o melhor remédio

Claro, é divertido dar uma boa risada. Mas você sabia que isso pode melhorar sua saúde? É verdade: o riso é um forte …

Por que é importante acreditar que as pessoas podem mudar?

Um estudo recente descobriu que adolescentes que acreditam que as pessoas podem mudar lidam melhor com os desafios de frequentar …

Ter um forte sentido de propósito na vida melhora sua cognição e saúde mental

Qual o significado da vida? Essa é uma pergunta difícil, mas sua saúde mental pode depender de respondê-la! Psicólogos …