Popular aos 13, à deriva aos 23

Popular aos 13, à deriva aos 23

Aos 13, eles eram vistos por colegas de classe com inveja, admiração e um pouco de temor. As meninas usavam maquiagem, tinham namorados e frequentavam festas de alunos mais velhos. Os meninos se vangloriaram de furtar cervejas e preservativos da loja de conveniência local em uma noite de sábado. Eles eram populares. Eles eram bonitos. Mas, o que aconteceu com eles?

“As crianças de rápida ascensão não se saíram muito bem”, disse Joseph P. Allen, professor de psicologia da Universidade da Virgínia. Ele é o autor principal de um novo estudo, publicado na revista Child Development, que seguiu esses jovens populares e com sucesso socialmente precoce durante uma década. Segundo o estudo demonstrou, já no ensino médio, o status social deles geralmente caiu e eles começaram a se esforçar de muitas maneiras.

Foi essa ascensão precoce para o que o Dr. Allen chamou de comportamento pseudomaturo que os levou a ter problemas. Agora, no início da segunda década de vida, muitos deles tiveram dificuldades com relacionamentos íntimos, álcool e maconha, e até mesmo atividades criminosas. “Eles estão fazendo coisas mais extremas para tentar parecer legais, se gabando de beber muito em uma noite de sábado e seus colegas estão pensando: ‘Esses caras não são muito socialmente competentes’”, disse Allen. “Eles ainda estão presos na época da escola”.

Como estudantes de ensino fundamental, eles eram conduzidos por um desejo aumentado de impressionar os amigos. Na verdade, o seu comportamento descarado os fez ganhar uma chama de popularidade. Mas, no ensino médio, seus colegas já começaram a amadurecer, preparando-se para experimentar romances e até uma leve delinquência e a popularidade das crianças populares começou a desaparecer.

Bradford Brown, professor de psicologia educacional da Universidade de Wisconsin-Madison, que escreve sobre relações entre pares de adolescentes e que não participou do estudo, disse que os resultados da pesquisa ofereceram uma variedade de dados. A descoberta que mais o surpreendeu foi que o comportamento “pseudomaturo” era um preditor ainda mais forte de problemas com álcool e drogas do que os níveis de uso de drogas no início da adolescência. As pesquisas com adolescentes geralmente os acompanham apenas através da adolescência, acrescentou o Dr. Brown. Mas este estudo, com um grupo diversificado de 184 indivíduos de Charlottesville, Virginia, acompanhou-os a partir dos 13 anos até a idade adulta, aos 23.

Os pesquisadores se esforçaram para documentar o aumento e queda do status social, entrevistando periodicamente os sujeitos, bem como aqueles que eles sentiram os conheciam melhor, geralmente amigos íntimos. Cerca de 20% do grupo caiu na categoria “criança popular” no início do estudo.

A partir dos dados levantados, Dr. Allen e seus colegas descobriram uma constelação de três comportamentos de busca por popularidade que caracterizavam o comportamento pseudomaturo. Esses jovens adolescentes buscavam amigos que eram fisicamente atraentes; seus romances eram mais numerosos, emocionalmente intensos e tinham mais explorações sexuais do que os de seus colegas; e eles se envolviam em pequenas delinquências – faltando escola, se esgueirando em sessões de cinema, e vandalismo.

À medida que completaram 23 anos, o estudo descobriu que, quando comparado aos seus pares de escola secundária mais socialmente lentos, eles apresentaram uma taxa de problemas de 45% maior resultante do uso de álcool e maconha e uma taxa de 40% maior de abuso dessas substâncias. Eles também tinham uma taxa 22% maior de comportamentos criminais na vida adulta, variando de furtos a assaltos.

Muitos atribuíram seus relacionamentos românticos fracassados ao status social: eles acreditavam que sua falta de prestígio era a razão pela qual seus parceiros haviam rompido o relacionamento com eles. Quando perguntaram aos seus colegas sobre o quão bem esses jovens adultos se davam com os outros, os resultados dos “jovens previamente populares” eram 24% menores do que a média dos jovens adultos.

Os pesquisadores se indagaram por que esse conjunto de comportamentos criou jovens adolescentes em uma espiral descendente? Dr. Allen sugeriu que enquanto perseguiam popularidade, eles estavam perdendo um período de desenvolvimento crítico. Nesse mesmo tempo, outros jovens adolescentes estavam aprendendo sobre como solidificar amizades do mesmo gênero enquanto se dedicavam a atividades “livres de drama”, como assistir um filme em casa juntos na sexta-feira à noite, comendo sorvete. Os pais devem apoiar esse tipo de comportamento ao invés de se preocuparem que seus jovens adolescentes não são “populares” o suficiente, disse ele.

“Ser verdadeiramente maduro como um adolescente significa que você pode ser um amigo bom e fiel, solidário, trabalhador e responsável”, disse Allen. “Mas isso não traz muita audiência na segunda-feira de manhã em uma sala de aula da nona série”.

Dr. Brown também ofereceu outra perspectiva sobre por que os adolescentes populares se perderam no caminho. Os adolescentes que lideram o desfile social no ensino fundamental – determinando as escolhas de todos em roupas, mídias sociais e até cores de cadernos – têm um pesado fardo para o qual podem não estar emocionalmente equipados. “Então eles acabam se inspirando nas crianças/adolescentes mais velhas”, que, por sua vez, também eram ex-populares, e muitas vezes, modelos duvidosos.

Dr. Allen ofereceu uma biografia típica do seu estudo. Aos 14, o menino era popular: teve inúmeros relacionamentos, beijou mais de seis garotas, se envolveu em pequenos problemas e cercou-se de amigos atraentes. Por volta dos 22, ele era um desistente do ensino médio, teve muitos problemas associados com o consumo de álcool, incluindo faltar ao trabalho e prisões por dirigir embriagado. Ele está desempregado e ainda propenso a pequenos roubos e vandalismo.

Mas, como o Dr. Allen enfatizou, a pseudomaturidade sugere uma predileção; mas não é um preditor firme. Uma adolescente do estudo inicialmente tinha um perfil semelhante, com muitos namorados em idade precoce, amigos atraentes e um gosto por roubar lojas. No entanto, aos 23, “ela ganhou o diploma de bacharel, não teve mais problemas com comportamento criminoso, consumia álcool apenas de forma responsável e estava em um bom trabalho”.

O Dr. Mitchell J. Prinstein, professor de psicologia da Universidade da Carolina do Norte, em Chapel Hill, que estuda o desenvolvimento social da adolescência, disse que, enquanto todos adolescentes são ansiosos por aceitação de seus colegas, estudos sugerem que os pais podem reforçar as qualidades que os ajudarão a resistir à pressão para ser “muito legal, muito rápido”. “Os adolescentes também apreciam a individualidade e a confiança”, disse ele. Sendo assim, “aqueles que conseguem manter seus próprios valores ainda podem ser considerados legais, mesmo sem fazer o que os outros estão fazendo”.

Texto Original:

Compartilhar:

Por | 2018-08-17T19:24:55+00:00 janeiro 8, 2018|Adolescência, Fases da Vida|

Deixar Um Comentário