Pertencer é ter significado

Pertencer é ter significado

Um dos princípios centrais da Psicologia Positiva é o seguinte: Relações pessoais importam. Ter relações saudáveis com a família, amigos e colegas de trabalho acaba por ser o mais forte indicador de felicidade (e muitas vezes, saúde) na maioria dos estudos sobre o bem-estar humano.

Um estudo recente realizado por Nathaniel Lambert et. al intitulado To Belong is to Matter: Sense of Belonging Enhances Meaning in Life esclarece sobre esta relação. Nele os autores encontraram evidências correlacionais, longitudinais e experimentais de que um sentimento de pertencimento pode predizer como percebemos o significado da vida.

Muitos teóricos sugerem que o impulso humano de buscar relações sociais, buscando formar e manter laços sociais, reflete uma tendência adaptativa inata que é crucial para a sobrevivência. De fato, pesquisas demonstram que há repercussões na nossa saúde física e mental quando não formamos vínculos interpessoais. É claro, no entanto, que é possível ter relações positivas, satisfazendo assim a necessidade de pertencer a um sentido geral, mas ainda assim não sentir que alguém é totalmente aceito. Em outras palavras, satisfazer uma necessidade geral de relações sociais positivas – por exemplo, participando de uma fraternidade ou irmandade – não garante a experiência subjetiva de pertencer.

Viktor Frankl propôs que os seres humanos são levados a encontrar sentido na vida, e ele chamou essa motivação de “vontade de sentido”. Klinger (2012) argumenta que “o cérebro humano não pode sustentar a vida sem propósito”, porque todos os sistemas do nosso cérebro foram projetados por natureza para facilitar o pensamento e a ação significativos. Sendo assim, nas análises de Frankl e Klinger, o impulso para encontrar sentido na vida é um aspecto fundamental da natureza humana.

Baumeister (2005) afirma que a sede humana de pertencer e a capacidade de compreender grandes sistemas de significado estão inextricavelmente ligados à psique humana. Portanto, seria de se esperar que a sensação de ter uma vida significativa dependesse, pelo menos em parte, de um sentimento de pertencimento. Alguns sugerem que relacionamentos próximos oferecem uma promessa simbólica de duração e continuidade que proporcionam aos indivíduos um senso de imortalidade simbólica Lifton, 1979). Da mesma forma, outros propõem que relacionamentos íntimos permitem que as pessoas se sintam parte de uma entidade simbólica maior (por exemplo, casal ou grupo) que transcende as limitações de seu próprio corpo e expande as capacidades e limites de seu próprio eu (Aron, Aron & Norman, 2001). Em relação especificamente aos grupos, Hogg sugere que a participação em grupo ajuda a reduzir o sentimento de incerteza subjetiva “impondo ordem e atribuindo significado a um campo social potencialmente desconcertante” (Hogg, 2005, p. 473; ver Hogg, 2009). De fato, sentimentos de pertencimento em grupos sociais podem imbuir a vida de significado de várias maneiras, como fornecer estabilidade, ajudar os indivíduos a criar uma identidade social compartilhada e permitir que eles busquem objetivos coletivos de ordem mais elevada.

Sendo assim, ter um sentimento de pertença é uma experiência comum. Pertencer significa aceitação como membro ou parte. Um sentimento de pertença é uma necessidade humana, assim como a necessidade por comida e abrigo. Alguns acham que pertencem a uma igreja, alguns com amigos, e outros no Twitter ou outras mídias sociais. Alguns se veem conectados apenas a uma ou duas pessoas. Outros acreditam e sentem uma conexão com todas as pessoas do mundo, enquanto alguns lutam para encontrar um sentimento de pertença e a solidão é fisicamente dolorosa para eles.

Construindo um senso de pertença

Construir um sentimento de pertença requer esforço e prática ativos. Uma maneira de trabalhar para aumentar seu senso de pertencimento é procurar maneiras de se assemelhar aos outros, em vez de se concentrar em maneiras diferentes. Alguém é muito mais velho que você? Talvez eles tenham histórias maravilhosas para contar e você possa adorar ouvir suas experiências. Talvez você valorize fazer a diferença e possa contribuir para suas vidas com sua força juvenil. Alguém tem um sistema de crenças diferente que você? Talvez vocês dois gostem de um bom debate ou ambos valorizem a fé em Deus.

Outra maneira de construir seu próprio senso de pertencer é trabalhar na aceitação dos outros. Aceitar os outros e pontos de vista que não são os mesmos que os seus pode exigir que você abra seus pensamentos para a ideia de que há valor no pensamento de todos. E uma das melhores maneiras de comunicar a aceitação é através da validação. A validação cria um sentimento de pertencimento e fortalece os relacionamentos. Validação é o reconhecimento de que a experiência interna de alguém é compreensível e ajuda você a ficar do mesmo lado, com um sentimento de pertencimento, mesmo quando você discorda.

Tente dizer sim às oportunidades de estar com os outros e depois dedique-se a qualquer atividade. Deixe de lado seus julgamentos. Julgamentos constroem muros. Concentre-se nas pessoas.

Texto Original:

Compartilhar:

Por | 2019-01-02T14:22:48+00:00 janeiro 2, 2019|Saúde Mental, Sentido da Vida|

Deixar Um Comentário