Categoria: Curiosidades

O impacto das mídias eletrônicas em crianças

Ao longo da infância, as crianças passam mais tempo assistindo TV do que na escola. Em média uma criança de sete anos de idade já assistiu TV (ou outras mídias) por mais de um ano completo. Aos 18 anos, um jovem europeu terá passado uma média de 4 anos em frente a uma tela.

Mas esse tempo não é mais uma questão cultural sobre como as crianças utilizam o seu tempo de lazer, mas tornou-se uma questão médica.

Saiba Mais

Relações de longa distância e a idealização

Estar em um relacionamento de longa distância é um fenômeno que muitos indivíduos experimentam pelo menos uma vez em suas vidas. Ao embarcar nessa jornada, muitos tendem a citar o ditado: “A ausência torna firmes as grandes paixões e livra das pequenas”, tanto pelo conforto quanto pela motivação. Pesquisas sugerem que essa afirmação pode conter alguma verdade, e muitos indivíduos em relacionamentos de longa distância relatam maiores níveis de confiança e melhor comunicação do que aqueles de maior proximidade

Saiba Mais

Perdoar faz bem para sua saúde

Em uma era de ações judiciais, às vezes pode parecer que o perdão é um conceito dos tempos bíblicos. Mas, uma grande quantidade de pesquisas sugere que devemos aplicar este ato em nossas vidas diárias, porque isso pode trazer uma miríade de benefícios para a saúde.

O perdão é o ato de conscientemente abrir mão do ressentimento ou vingança em relação a outra entidade que o prejudicou de alguma forma (seja ela realmente merecedora ou não desse perdão),

Saiba Mais

O que a falta de contato visual diz sobre você

Você está falando com alguém e ele continua a olhar por cima do seu ombro. Ele claramente não está ouvindo você. Na verdade, você suspeita que ele esteja examinando a sala para ver se há alguém mais interessante do que você para conversar.

Como isso faz você se sentir? Não muito bem, eu suspeito.

Você já pensou seriamente sobre o que os seus olhos fazem durante uma conversa?

Saiba Mais

Rir é o melhor remédio

Claro, é divertido dar uma boa risada. Mas você sabia que isso pode melhorar sua saúde? É verdade: o riso é um forte remédio. Ele atrai as pessoas de forma a desencadear mudanças físicas e emocionais saudáveis no corpo. Rir fortalece seu sistema imunológico, melhora o humor, diminui a dor e protege-o contra os efeitos nocivos do estresse.

Saiba Mais

Poderia a homofobia estar disfarçando uma homossexualidade?

Aquele comentário comum voltado para os homofóbicos – que eles podem, na verdade, serem eles mesmos gays - pode talvez conter alguma verdade.

Dois pesquisadores, Richard Ryan, um professor de psicologia, psiquiatria e educação da universidade de Rochester, e William Ryan, um estudante de doutorado de psicologia da universidade da Califórnia, Santa Bárbara, disseram ter encontrado “evidências empíricas de que a homofobia pode resultar, em parte, da repressão de desejos entre o mesmo sexo”. A pesquisa deles foi centrada em seis estudos conduzidos nos Estados Unidos e Alemanha envolvendo 784 estudantes universitários que procuravam por “orientação sexual implícita”. Os pesquisadores mostraram aos participantes algumas imagens e um texto, tais como casais do mesmo sexo ou hétero e palavras como “gay”, para serem categorizadas numa tela de computador o mais rápido possível. Mas, antes de cada palavra e imagem aparecer, a palavra “eu” ou “outro” piscava no centro da tela por 35 milissegundos – tempo suficiente para os participantes processarem subliminarmente a palavra, mas curto o suficiente para eles perceberem conscientemente.

A teoria aqui, conhecida como associação semântica, é que quando o “eu” precede palavras ou imagens que refletem a sua orientação sexual (por exemplo, imagens heterossexuais para uma pessoa hétero), você irá organizar essas imagens nas categorias certas mais rapidamente do que quando o “eu” preceder palavras ou imagens incongruentes com a sua orientação sexual (por exemplo, imagens homossexuais para uma pessoa hétero).

A técnica foi adaptada de testes similares utilizados para aferir atitudes tais como predisposição racial subconsciente.

Mais de 20 porcento dos indivíduos que se auto-descreviam como bastante héteros demonstraram essa discrepância, disseram os pesquisadores. Essas pessoas também eram significativamente mais propensas a terem imagens negativas dos homossexuais, e, por exemplo, favorecer política anti-gay e expressar uma maior hostilidade implícita direcionado aos sujeitos gay.

Os pesquisadores sugerem que esse comportamento pode ser resultado de “ter sido criado por pais percebidos como sendo controladores, menos receptivos e mais preconceituosos em relação aos homossexuais”.

Os pesquisadores escreveram que sua descoberta pode explicar o porquê figuras religiosas e políticas que fazem campanha contra os direitos gays são tão regularmente implicados em encontros com parceiros do mesmo sexo, tal como o líder evangélico Ted Haggard que renunciou após um escândalo envolvendo uma prostituta que era originalmente do sexo masculino.

Os pesquisadores, é claro, reforçaram o óbvio: eles disseram que seu trabalho não significa que todos aqueles que adotam uma posição anti-gay sejam homossexuais no armário.

 

Texto Original:

Compartilhar:

Como o estresse afeta os seus objetivos e hábitos

Quer você goste ou não, o estresse desempenha um papel importante em sua vida. Mas nem todo o estresse é ruim: ele pode …

O impacto das mídias eletrônicas em crianças

Ao longo da infância, as crianças passam mais tempo assistindo TV do que na escola. Em média uma criança de sete anos …

Relações de longa distância e a idealização

Estar em um relacionamento de longa distância é um fenômeno que muitos indivíduos experimentam pelo menos uma vez em …