Categoria: Homofobia

Poderia a homofobia estar disfarçando uma homossexualidade?

Aquele comentário comum voltado para os homofóbicos – que eles podem, na verdade, serem eles mesmos gays - pode talvez conter alguma verdade.

Dois pesquisadores, Richard Ryan, um professor de psicologia, psiquiatria e educação da universidade de Rochester, e William Ryan, um estudante de doutorado de psicologia da universidade da Califórnia, Santa Bárbara, disseram ter encontrado “evidências empíricas de que a homofobia pode resultar, em parte, da repressão de desejos entre o mesmo sexo”. A pesquisa deles foi centrada em seis estudos conduzidos nos Estados Unidos e Alemanha envolvendo 784 estudantes universitários que procuravam por “orientação sexual implícita”. Os pesquisadores mostraram aos participantes algumas imagens e um texto, tais como casais do mesmo sexo ou hétero e palavras como “gay”, para serem categorizadas numa tela de computador o mais rápido possível. Mas, antes de cada palavra e imagem aparecer, a palavra “eu” ou “outro” piscava no centro da tela por 35 milissegundos – tempo suficiente para os participantes processarem subliminarmente a palavra, mas curto o suficiente para eles perceberem conscientemente.

A teoria aqui, conhecida como associação semântica, é que quando o “eu” precede palavras ou imagens que refletem a sua orientação sexual (por exemplo, imagens heterossexuais para uma pessoa hétero), você irá organizar essas imagens nas categorias certas mais rapidamente do que quando o “eu” preceder palavras ou imagens incongruentes com a sua orientação sexual (por exemplo, imagens homossexuais para uma pessoa hétero).

A técnica foi adaptada de testes similares utilizados para aferir atitudes tais como predisposição racial subconsciente.

Mais de 20 porcento dos indivíduos que se auto-descreviam como bastante héteros demonstraram essa discrepância, disseram os pesquisadores. Essas pessoas também eram significativamente mais propensas a terem imagens negativas dos homossexuais, e, por exemplo, favorecer política anti-gay e expressar uma maior hostilidade implícita direcionado aos sujeitos gay.

Os pesquisadores sugerem que esse comportamento pode ser resultado de “ter sido criado por pais percebidos como sendo controladores, menos receptivos e mais preconceituosos em relação aos homossexuais”.

Os pesquisadores escreveram que sua descoberta pode explicar o porquê figuras religiosas e políticas que fazem campanha contra os direitos gays são tão regularmente implicados em encontros com parceiros do mesmo sexo, tal como o líder evangélico Ted Haggard que renunciou após um escândalo envolvendo uma prostituta que era originalmente do sexo masculino.

Os pesquisadores, é claro, reforçaram o óbvio: eles disseram que seu trabalho não significa que todos aqueles que adotam uma posição anti-gay sejam homossexuais no armário.

 

Texto Original:

Compartilhar:

Rir é o melhor remédio

Claro, é divertido dar uma boa risada. Mas você sabia que isso pode melhorar sua saúde? É verdade: o riso é um forte …

Por que é importante acreditar que as pessoas podem mudar?

Um estudo recente descobriu que adolescentes que acreditam que as pessoas podem mudar lidam melhor com os desafios de frequentar …